5 de fevereiro de 2011

Talvez eu me apaixone por você. Mas talvez não. Sinto um desejo tão louco por você que não cabe em palavras, pode ser só desejo, o que eu dúvido muito, mas pode. O medo de se apaixonar nessa história deve morar em você.

Tem uma coisa que você deve saber, querido, certas coisas não dá pra evitar. E quando você for, depois dessa noite, se lembrará de mim todos os dias antes de dormir, me odiará por eu ter razão, sobre esse querer imenso. Nem os perfumes de todas as moças que já passaram pela sua cama ofuscará o meu, que já está em você, grudado em sua pele e seus pensamentos.

Tem coisas que estão me sufocando aqui, gritam frequentemente na minha cabeça, que sonho um dia ter coragem de gritar pra você. Fantasio sempre sua cara de surpresa - porque nunquinha em sua vida imaginaria isso - dizendo coisas que eu espero ouvir desde quando te conheci. Quantas e quantas vezes já sonhei acordada com esse momento, quantas vezes já repeti para mim mesma "ele poderia ser muito mais que só meu amigo". Talvez até seja, um dia. Mas na boa, esperar por isso não é mais aquela coisa bonita. É angustiante, cansativo, incompleto. Não vou mais alimentar isso com cada pequena esperança que você dá. Não mais.