2 de março de 2011

Querer. Não querer.

É como se eu quisesse estar em algum lugar, fazendo nada, sem ninguém, só esperar essa coisa passar ou até mesmo um desses fins chegar. Um fim que eu não sei exatamente qual, só quero que chegue depressa. Só quero que passe. É estranho, como se faltasse algo, alguém. Ou talvez tenha gente demais, além do que eu posso suportar. Começo a questionar inúmeras coisas tentando achar um motivo pra toda essa confusão, mas no fim, nada é o real motivo dessas paranóias. Necessidade de uma abraço e ao mesmo tempo de que nem encostem em mim. De querer estar junto e de nem conseguir olhar no olho daquela pessoa que você sabe que te faz bem, mas que não é o bem que você precisa agora. Esses quereres que não se encontram, que não entram em um acordo e facilita pra mim.