11 de agosto de 2011

Maria Luiza

Conheço Maria Luiza há uns 6 anos pelo menos? É, bem por aí. Veio de Minas, fez o colegial lá porque queria morar um tempo com os avós. Voltou pro Rio de Janeiro pra cursar arquitetura, comigo. Não, não nos conhecíamos até começarmos o preparatório, mas é como se eu precisasse conhecer essa menina, sei não. Ela cresceu 2 centímetros e olhe lá. Ela é bem nanica e fica revoltadíssima quando a chamo assim, 1,57cm atualmente, e desajeitada. Com-ple-ta-men-te. Toda atrapalhada, tadinha, mas um encanto de moça. Daquelas que sorriem com o olhar e você já se rende.

Malu não é de fazer muitas amizades, mas é boa moça. Ela tem um tom sarcástico, pessoas não curtem muito isso. Pra mim, é só mais um dos seus charmes. Não que ela seja charmosa, porque ela não liga muito pra padrões de beleza e de sensualidade ela desconhece, mas é carinhosa, transbordando doçura. Simpática às vezes, quando chega sem seus cachos já sei que não está em seus melhores dias, geralmente é assim, porque de vez em quando ela quer dar uma de engraçadinha e me enganar.

Ela sempre está entre os assuntos dos caras da faculdade, eles fazem "bolão" pra ver qual o próximo que vai levar um fora dela. É baixinha, mas toda marrenta, não dá um pingo de condição pra eles, a não ser que ela esteja a fim. Até que já saiu com dois caras, mas nada sério, não. E foi ela quem chegou neles, quando quer, ela procura mesmo, não segue regras quase nunca.

Outro dia saímos pra beber à noite, Malu estava desabafando, mais uma vez, sobre seus relacionamentos e os caras que não dão certo. Ela não os culpa, bonitinha da parte dela, quando termina, só diz que eles não têm "aquilo" do qual ela precisa. Devastaria meu coração, se fosse comigo. Guardo meu amor por ela em segredo, medo de que aconteça o mesmo, eu sei. Paramos na cama do meu quarto, juntos, como de costume. Ela tem essas vontades por mim, às vezes; eu, sempre.

Sexo com ela é... quente, longo. Provocante como quase ninguém nunca viu, sexy e irresistível. Fomos dormir por volta das 7h, trocamos carinhos, beijos, olhares, palavras, meios sorrisos. Tive ela inteira. Na palma da mão. Na boca. No enlace dos corpos. Dentro e fora. Ela me acordou 7:45h com um beijo na testa de despedida. Só consegue dormir em casa. Sozinha.