29 de novembro de 2011

Tudo que existiu ficou lá

"...preciso rever seu sorriso um tanto sem graça, preciso voltar mais uma vez com você lá na praça..."
- Zeca Baleiro

Você virou e foi embora. A última imagem sua que ficou em minha memória foi de suas costas e um sorriso amarelo de seus cigarros que me faziam mal. Não consigo me livrar dessa falta, desse vazio que você deixou em mim, às vezes tento não acreditar que aquilo foi o fim, outras vezes, você volta com seu charme de cafajeste e desejo que aquilo tenha realmente acabado. Depois que foi, prometi a mim mesma que seria o último a quem eu entregaria meu coração, e será. Ele vai ficar aqui dentro, quieto, sossegado e bem quentinho. Acreditei que em você encontraria a paz, a tranquilidade, mas só soube trazer frustração. Não pense que ao deitar minha cabeça no travesseiro pra dormir eu não penso mais em ti, você é o culpado pela minha insônia, minhas olheiras e pelo meu tempo perdido. Sim, porque é uma grande perda de tempo pensar em você e nas bobagens que aconteceram ou que eu gostaria que tivessem acontecido. O sorvete de maçã-verde que eu iria desperdiçar só para te sujar, os beijos forçados que eu sonhei tantas vezes retribuí-lo com doçura, seus olhares tão profundos pareciam que fossem me invadir me fizeram querer ser sua. Inteira. E não fui, nem metade. E assim, não sendo, foi que eu mais quis ser. Fiz moradia dos seus abraços, encontrei loucura e conforto em seus beijos, confiança ao enlaçar suas mãos nas minhas. E ainda acho graça quando lembro que você implicava comigo não deixando eu me distrair com as folhas e as formigas daquela praça. Passo todos os dias ali, e mesmo depois desse tempo, vejo nós dois, seu sorriso contente e seu jeito sem graça de dizer que era reflexo da sua felicidade. Suas inúmeras tentativas de me conquistar, me envolver. Você conseguiu e agora não está mais aqui. No mesmo banco da mesma praça você me disse adeus e foi.

16 de novembro de 2011

Existe em nós


Não pense que eu serei só bonitinha, não é assim que somos. To escrevendo assim pra você, porque senti essa necessidade, foi um pedido que o coração me fez baixinho, quase, quase não deu pra ouvir. Acho bonito isso que a gente tem. Amizade? Amor? Sei lá. Uma mistura muito doida, mas me faz bem. Amadurecemos tanto com o tempo, eu, você, nós dois juntos. Tá certo que você não vale um centavo, mas confio em ti de uma forma assustadora. Sinto uma leveza tão confortante nisso. Não tenho mais pressa, sabe? Nem desespero. O que já temos é muito grande, muito nosso. Não é coisa de se dizer meia dúzia de palavras bonitas e ser suficiente. Vai além, cara. Sinto que é de verdade quando te olho e você não consegue me olhar dentro dos olhos, quando dá aquele meio sorriso sem motivo algum aparente. Quando arruma algum pretesto pra pegar na minha mão, ou nem arruma nada, só pega. Lembra daqueles estresses que rolava entre a gente? É bom achar graça agora. Talvez precisassemos disso para que nos entendamos melhor, conhecer um ao outro, saber os limites. E com certeza há muito mais pra conhecer. Ah, eu gosto do teu silêncio, até assim aprendemos, presta-se mais atenção nos detalhes. E é nos detalhes que devemos ter cuidado, nos mostra coisas surpreendentes. O simples cabe inteiro dentro da gente. Escrevo ouvindo O Teatro Mágico, porque vejo como trilha sonora de toda essa situação. Hoje. Quando comecei estava ouvindo Los Hermanos, não achei apropriado. E já que eu estou fazendo isso, deixa eu te avisar logo. No show deles iremos juntos e isso está muito longe de ser um pedido. Eu não esqueci da sua camisa do TM. Entrego da próxima vez que te ver. A básica, né? Tá vendo? É simples. É básico. É leve.
Vai ser do jeito que deve ser. Mas quando for, vai ser inteiro, completo. Não sei exatamente o que, mas será assim. Muito legal a paciência que você tem comigo, mesmo que às vezes você nem seja tão paciente assim. A importância que você tem pra mim é imensa, você sabe. Seria bom que cada pessoa tivesse alguém assim, como você é pra mim. Alguém pra poder contar, rir, chorar, até mesmo xingar, esperando outros xingamentos como resposta, é claro. Sabe de uma coisa? Já é inteiro. Completo. Há o desejo do seu calor, do seu corpo, seus beijos, você falando safadezas ao pé do ouvido e tudo mais, enfim, isso é um outro assunto. De uma noite apenas e nada mais. Quem sabe?! Ou tantas noites que não podemos nem imaginar? Viver pra saber. Em mim, você vai viver sempre. E vou viver em você também, nem ouse tentar esquecer. Não lembro se já lhe disse, mas é em seus braços que eu encontro o melhor abraço.

Te quero. Te tenho. Te beijo.

13 de novembro de 2011

Saiba quando parar

A vida é uma beleza e todas essas pequenas coisas são só aprendizado. São escolhas que às vezes machucam, mas nada que você não consiga curar. E é tu mesma, não espere que outras pessoas façam. Isso tem que ser uma conquista sua, de corpo e alma, é claro que existem aqueles seres que trazem risos, e Malu, se tem uma coisa que você deve saber valorizar, são os sorrisos, você vai reconhecer os verdadeiros quando sua mente estiver limpa e aberta às novas situações. Não se apegue tanto, deixa-se conduzir pelo o que é belo e dê um basta no que te cansa e você sabe que não vale a pena, só está te atrasando, desgantando a sua essência. É bonito isso de correr atrás do que você deseja, mas aprenda a enxergar os limites. Tudo tem limite.