5 de setembro de 2016

Seus olhos

 Acho uma delícia quando você esquece os olhos em cima dos meus,  
ou quando sua risada se confunde com a minha
- Chico Buarque

Acordo de repente e te encontro ali, me observando, com seus olhares cheios de ternura. É um estado de tanta paz que me faz pegar no sono novamente. É como se eu encontrasse todo o amor do mundo através dos seus olhos e me sinto deliciosamente amada. Sua. Toda sua. Sinto como se estivesse nas nuvens, assim, bem piegas mesmo. Afinal, o amor é o sentimento mais piegas. E é bom, porque é assim.

Já te contei dos seus pequenos olhos, de como significam pra mim. Foi tão fácil me apaixonar por você e a culpa é deles. E ainda me apaixono todos os dias quando bem distraída pego eles em mim. É como se eu coubesse neles, como se eu coubesse em você. Tão bom acordar do seu lado e ver toda proteção e cuidado nessas duas bolinhas cor de areia, e você me dá aquele sorriso de canto de boca, o seu dente torto aparece ali no meio, seus olhos miudinhos se apertam ainda mais.

Seus sorrisos enchem meus dias de tranquilidade, transformam tudo em poesia, deixam colorido tudo que é preto e branco. Eles trazem mais alegrias para a nossa rotina. E quão feliz eu sou de ter os seus sorrisos pra encontrar os meus. Como é bom ter o seu corpo quente pra esquentar o meu também. Ter os seus braços pra me envolver nos seus abraços. Fico toda serelepe quando ouço o barulho das chaves na porta e te vejo lindo, chegando pra mim. É tão gostoso o seu cheiro e eu torço sempre que ele fique na minha pele.

Talvez eu me perca toda vez que me encontro nos seus olhos apaixonados. E que eu me perca sempre pra tantas outras vezes me encontrar em ti, assim, perdidamente apaixonada.

2 comentários:

Jaya Magalhães disse...

Que assim possa ser a cada olhar nosso que se descansa na imagem do outro em nós. Seu texto é lindo por toda a delicadeza, todo o jeitinho sutil que você tem de pontuar quando coloca o amor no meio das suas linhas.

Lindo, mais uma vez. Li devagar, para poder levar um pouquinho de toda essa doçura comigo.

Um beijo, donalinda!

Jaya Magalhães disse...

Bora escrever, né? Já deu! Não quero ter que obrigar. Oxe.